A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Sentimentos

(Diego de Castro Capitão)

Eu tava lá no Opinião, dando um tempo de bobeira. A banda era boa, a música alta também. O que eu não gostava era daquela multidão se debatendo. Porra, também quem mandou não chegar cedo pra pegar uma mesa? Por isto eu tava a fim de ir embora, e por isso também chamei a Patrícia pra vir comigo, afinal, ela é uma das melhores pessoas que já chuparam o meu pau, e naquele estado, puxa, eu estava com o pau esfolado, tava pegando fogo, e uma chupada daquelas da Patrícia ia me fazer bem.

Falei com ela, na boa, fez uma ceninha, disse que não ia, até pensei em mandá-la à merda, tomar no cu, sei lá. Mas o fato é que a cretina foi bem faceirinha, agarrado no meu braço.

Cheguei no meu apê, tudo no chão, espalhado: CD, cachaça, livro, disco, normal. Tudo uma cagada. Que fedor, ela disse. Eu falei, não vem com frescura que tu ta acostumada. Ela me pediu alguma coisa pra comer e eu não tinha nada, então ela me pediu algo pra beber e isto eu tinha. Ela tomou vodca, eu tomei Uísque. Patrícia disse que não gosta de Uísque, mas eu nem tava prestando atenção. Como eu disse, o meu pau tava latejando, não tava machucado, tava latejando, acho que eu peguei muito pesado na semana passada. Patrícia ligou o som e colocou uma música detestável, qualquer merda que de algum setlist de FM. Ela me olhou e tentou ser insinuante, ridículo, a Patrícia não serve pro tipo, mas ela tava me chamando pro quarto, mas eu queria na sala mesmo, mas não deu. Tive que ir pro quarto, chegando lá ela começou a tirar a roupa, eu tava meio sem paciência, mas quando senti seus lábios colados na minha glande senti um alívio imenso. Patrícia chupa bem, muito bem, e aquilo fazia um bem enorme, tanto pro meu pau quanto pra mim. Liguei a luz para vê-la em plena felação, mas aí que o troço quase degringolou, mulher não gosta de trepar com luz acesa - pelo menos as que eu como - e eu tive que apagar. Tava tão boa a chupada que eu não me controlei, tirei meu pau da boca dela, arranquei suas roupas, mas sem rasgar, e a comi de tudo que foi jeito. No final, coloquei-a de quatro e gozei dentro da sua vagina, que ficou pingando esperma. Porra, assim meu pau não aguenta. Fui pra sala, peguei uma cerveja e fiquei vendo televisão. Vi quando Patrícia ia saindo e fiz que estava dormindo, ela disse tchau bem baixinho e foi embora e eu não disse nada.

Acordei já era Sábado, coloquei a cara na janela e tava frio pra cacete. Eu tinha que sair, já tava atrasado, coloquei meu blusão e fui embora. Fui pra uma rádio comunitária, destas de bairro, eu tinha uma trepada lá agora. Cheguei lá e fiquei batendo papo com o porteiro, que é a única figura com quem se pode bater um papo razoável ali. Me pergunta pela Sandra, eu digo pra ele ficar frio, não dar bandeira, a Sandra já é passado. Ele diz que nunca mais viu a Sandra, e eu digo que nem quero saber daquela vaca. Olha, to só esperando a Silvia, ta bom? Ele não me pergunta mais nada, me deve duas comidas que deu numas amigas minhas, acho que as duas únicas que ele deu nos últimos dez anos, por isso ele se considera meu faixa. Mas eu não sou faixa nem amigo de ninguém.

Eu já tava ficando impaciente de esperar pela Sílvia, quando ela apareceu e me beijou. Ela tava rindo, realmente ela é bonita. Ela pergunta se quero comer alguma coisa. Claro que não. Ela diz que ta morrendo de fome e quer comer um bauru. Comemos o Bauru; eu só fiquei olhando, vendo-a mastigar me dava mais tesão ainda. Na volta, ela faz uma rápida parada na beira do Guaíba, queria ver o lago, se inspirar. Tipinho. Mais dois minutos e ela acende um baseado, então eu mando ela jogar fora aquela merda. Ela diz que me acha careta e eu digo que até agora nós não aproveitamos nada, que queria ficar do seu lado. Eu tava era logo pra comê-la de uma vez, já eram quase duas da tarde e eu já não aguentava mais. Ela deu um sorriso, deu mais uma tragada e abriu suas pernas, era a minha deixa. Baixei suas calças até o joelho, beijei sua barriga e lambi sua boceta. Tava muito boa tinha uma boceta úmida, quente, viscosa, trepamos dentro do carro. Prometi voltar à noite. Liga pro meu celular, ela pede. Eu digo que não tenho telefone. Ela me pede pra ligar do orelhão, mas eu não tenho dinheiro, ela diz pra mim ligar á cobrar. Eu só queria ir embora, não tinha mais nada pra fazer ali, então prometi ligar, eu até ligaria, mas não hoje à noite.

Entrei num boteco xixelento, destes com cheiro de mijo. O dono é um ex-marujo, dizem que ficou tanto tempo em mar que acabou enlouquecendo, e acabaram encostando o cara. Não o conheço, mas conheço o balconista, ele também me deve. Falo com ele na boa, só quero um uísque que já to saindo fora. Dose dupla, ele pergunta? Não, quero a garrafa! Ele ainda pergunta se vou querer gelo. Claro que não. Gelo e guaraná em uísque é coisa pra veado, eu falo. Não é veado, é homossexual, ele responde com desdém.. Bah, desculpa, foi mal. Sempre me esqueço deste. Gosta dos sarados. Ele quer puxar mais papo e pergunta se quero comer algo. Claro que não. Que mania as pessoas tem de ficarem enchendo a barriga com merda. Não quero virar um carregador de bosta, aliás, nunca tenho fome.

Fui pra casa, misturei vodca, cerveja, uísque e isotônico, nesta ordem. Tentei ler um livro, depois me deu vontade de escrever, aí eu começo a beber pra não fazer merda. Já perdi tudo por causa desta mania, bobagem. Tentei ser um romancista erótico, mas acabei fracassando. Lancei dois livros que foram um encalhe do caralho. Nos meus delírios, cheguei a pensar em tornar-me o Sade brasileiro ou o Mafesoli tupiniquim. Agora estou pensando em escrever um livro de auto ajuda. Pode acreditar. Fui até a rua fazer uma ligação, mas não foi para Silvia. Liguei para Eduarda, ia combinar um passeio amanhã na Redenção. Ela não quis, disse-me para ir até sua casa amanhã que teria algo melhor. Nem acreditei, eu não perco muito tempo com mulheres, mas essa aí eu tava em cima fazia três semanas, o que é um recorde.

Fiquei bastante excitado, voltei pra casa e assiti TV. Horrível, como sempre. Assisti num destes canais metidos a científicos um acasalamento entre leões. Insaciável, quer sempre mais. Meu problema me faz sentir como ele. O sexo entre eles foi bacana, trepa, reproduz e acabou-se. Viva a natureza. Vamos pelos instintos. Saio pra comemorar o bom dia que será amanhã.

Passo pela Farrapos, hoje eu sou um leão! Passo em frente ao Madrigal, elas me chamam, riem, insinuam-se. São bonitas, eu fico excitado. Mas o filé é pra amanhã, hoje eu quero o andar de baixo. Vou até a Garibaldi, enquanto caminho, penso comigo: tem que ser a primeira, pra valer tem que ser a primeira. E ela logo aparece, me aborda. Eu olho pra ela. Feia. Não muito, mas feia. O quê? Quinze anos? No máximo. Vamos pra um quartinho ali perto. Pequeno e imundo, mas a isto eu estou acostumado. Só comecei a rir quando ela mecanicamente me mandou lavar o sexo, assim mesmo: lave o sexo, escove os dentes e tire a roupa. Só dei uma risada. Ela ficou com cara de bunda me olhando, esperando. Até que ela se irritou e disse, olha tio, vai se fuder, se não lavar eu não trepo. Aí fui eu quem ficou irado. Porra, onde é que nós estamos. Tio é a puta que te pariu, sua vadiazinha. Tire a porra dessa roupa agora, disse isto agarrando-a pelo braço firmemente e atirando-a na cama. Ela tentou avançar em mim, e eu tive que lhe dar umas porradas. Já que a coisa não estava evoluindo, tive que tomar uma atitude, pois eu já não estava aguentando mais o meu pau latejar daquele jeito. Ela protestou, disse que iria chamar o Fernando. Mandei ela e o Fernando se fuder, pois este já está mais cagado que privada de rodoviária. E era verdade, o Fernando come na minha mão, abaixa as calças e caga se eu mandar. Falei isto alto, de modo que todos em volta dali, inclusive o Fernando, escutassem. Ela, que também não era idiota, ficou na dela. Mas ela me sacaneou legal, só abriu as pernas e olhou pro lado. Comi rápido e gozei. Ela ia embora e eu disse que não, espera. Tornei a comê-la e a fiz chupar meu pau até gozar na sua boca. Enquanto gozava, xingava, esfregava meu pau na sua cara e mostrava como ele era mais limpo que a sua cara. Depois que gozei a mandei embora. Ela me pediu dinheiro, e eu disse que era pro Fernando por essa na conta. Ela saiu fora e quando estava fechando a porta me chamou de putinho de merda, que meu pau era pequeno, estas coisas. Crianças.

Eu não estava satisfeito, aquela trepada nem de longe poderia satisfazer alguém e meu pau em nenhum momento parou de latejar. Eu odiava isto. Precisava gozar, esporrar mais.

Fiquei transitando pela avenida, de cabeça baixa, mas atento a tudo o que acontecia, desta vez eu escolheria a próxima trepada. Notei que já havia um burburinho por onde eu passava. O Fernando já havia falado com as meninas e elas estavam espertas. Decidi que deveria ir a outro lugar. Fui pra um bordelzinho furreca, fudidinho num canto da cidade. Ninguém me conhecia. Ótimo. Cheguei, sentei numa mesa, pedi uma vodca. Ofereceram-me um baldinho de cerveja. Quanto? Quarenta pila! Só rindo mesmo. Empaquei o olhar numa loira gostosa, de comercial mesmo. Decidi que seria aquela, mas não só ela. Chamei-a pra conversar. É fácil conquistar as mulheres, existem mil tipos, mas pra todas, TODAS existe uma abordagem eficiente. Eu digo isto apesar de sinceramente acreditar que são os meus instintos sexuais que exalam o odor que as deixa, digamos, excitadas. Conversei com a loira, ela me pediu duzentos reais pelo programa. Disse que não, que eu não pagava. Então vai bater punheta, porra! Até respondi que punheta era bom, mas agora eu não tava a fim. Enquanto falava puxei-a para o meu colo e friccionei meus três dedos, anelar, indicador e abaixo o polegar em sua vagina, ela me olhou assustada, tentou sair, mas acabou ficando. Esta técnica sempre funciona. Nunca falhou. Não falhou agora. Falei pra ela, vamos embora daqui. Saímos pra rua quando eu disse, chama uma amiga tua. Ela faz pouco caso e perguntou: e tu aguenta? Só respondi que era pouco, mas eu estava um pouco cansado. Ela veio, com uma morena. Queria saber pra onde iríamos. Vamos foder eu falei. Ela pergunta onde. Olho em volta e respondo que pode ser aqui mesmo. Como assim, aqui? Aqui, eu digo. Na rua? Claro, na rua. Elas se olharam e riram. Toparam na hora.

Começamos tirando a roupa, não estava nem aí pro frio. Comecei beijando e acariciando os pés da loira, que eram perfeitos pés de puta. Com unha pintada de vermelho, cheio de calos, exalando um odor desagradável. Mas lambi aqueles pés como um Glauco Matoso apaixonado. Estava em estado de submissão total. A morena apenas beijava a loira e me olhava. Cheguei perto dela, ela sorriu e eu a puxei com força pelos cabelos. Cuspi na sua cara, rasguei sua roupa e meti no seco. Ela não falou nada, apenas gemeu. Metia e batia na cara da morena, fiz isto até gozar. Tirei o pau pra fora e mandei a loira limpá-lo com a boca. Ele me obedeceu, elas sempre me obedecem. Mandei a loira me bater, ela o fez, mas sem convicção. Não é assim não, porra. É assim que se faz. E dei outro tapa na morena, que não falou nada, bati de novo e outra vez até começar a sangrar sua boca. A loira entendeu o recado e me deu uma mordida com tanta força que fiquei com um enorme hematoma nas costas. Agradeci a loira comendo seu cu. Depois disto fui embora, estava todo sujo e suado, com uma mistura de areia, folhas e capins grudados no corpo. Fui embora sem me despedir das duas e nem sequer olhei pra trás, já estava amanhecendo e de longe já havia alguns pedestres pela rua. Cheguei em casa e dormi.

Acordei já era uma da tarde de Domingo, nem me atrevi a ligar a televisão. Fui tomar um banho, hoje o dia era especial. Ligo pra Eduarda. Vou dar pra ti, é a primeira coisa que ela diz. Me pergunta se quero ir a um motel. Digo que não, que prefiro ir à sua casa. Peguei um ônibus e fui pra casa da Eduarda, lá no Moinhos de Vento, bairro dos ricos e também dos filhos da puta desta cidade. Cheguei em frente ao seu apartamento, falei com o porteiro, que me fez uma cara de bunda, perguntou o que eu tava vendendo. Vendo pica eu devia ter dito, mas fiquei frio. Eu estava de bom humor. Ele interfonou pra Eduarda e ela me mandou entrar. Subi no elevador, meu pau latejava que parecia que ia explodir. Não sei o que faço pra acabar com isto. Eduard abriu-me a porta. Estava muito bonita, perfumada, banho tomado, o que realçava ainda mais seu pele alva. O pai dela era deputado, a mãe vereadora. Nunca ficavam em casa.

Quando ela parou de dar gemidinhos pra finalmente soltar um grito, um urro, senti que meu pau finalmente havia vencido aquele obstáculo. Não paramos. Estava comendo Eduarda. Finalmente. Comia e olhava sua face, corriam algumas lágrimas, é verdade, mas ela estava feliz. Eu também tava feliz. Estocava e olhava em volta, lambia a face de Eduarda e olhava seu quarto, cds, livros escolares, foto abraçado ao pai no seu baile de debutantes, esta foto é do ano passado, filha única, burguesa, e agora descabaçada. Fodemos por dois dias seguidos. Não comemos, apenas bebemos e fodemos. Explorei Eduarda de todas as formas possíveis. Ela adorou. Eu também. Gozei diversas vezes, dentro de Eduarda, nos seios, na face, dentro do ânus, no seu porta-retrato, na colcha estampada. Dançava pelado pelo seu quarto. Ela me aplaudia. Peguei o pau e mijei pelas paredes, demarquei o território. Limpei seu sangue no lençol. Foram os dias mais felizes da minha vida.

Sou uma outra pessoa, meu pau nunca mais latejou depois deste dia. Encontro Eduarda todos os dias e fodemos cada vez mais. Ela me compreende totalmente e me apoia em tudo o que faço. Nunca mais tive contato com Silvia, mas Patrícia já me encontrou e eu fiz que não era comigo. Agora só quero Eduarda. Quero estar colado em seu sexo como cachorro. Seus pais ainda não sabem, mas em breve eles terão uma surpresa. Vou casar com Eduarda na semana que vem. Estou apaixonado e ela também. O amor não é lindo?

  • 5156 visitas desde 1/07/2005
  • Publicado em: 20/06/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br