A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Dedo de vela

(Dorcila Garcia)

Procissão de sexta-feira santa era sempre muito esperada. Marcava o fim da quaresma, sábado de aleluia chegando, meninada preparando malhação do Judas, risos e cantos vibrando no ar.

Para Isolda, aquele era um ano especial, pois iria vestir-se de anjo na procissão. Passava horas olhando a túnica branca, quase pronta, estendida sobre a mesa do quarto de costura. O algodão pregado nas bordas das mangas dava um toque celestial à vestimenta. Só faltavam as asas de anjo, que ainda não haviam chegado da cidade. Ela mal conseguia esperar.

"Os anjos são tão bonitos!", pensava Isolda, observando imagens e pinturas na igreja. Queria ficar parecida com eles na procissão. Mas, em sua ingenuidade, perguntava o porquê de todos os anjos serem loiros. Afagando sua vasta cabeleira negra pensava, preocupada, se Deus iria gostar dela. Porém, logo esquecia essas perguntas, voltando a pensar na procissão.

A menina andava inquieta, ansiosa e tinha sonhos agitados durante a noite. Sonhava que havia virado anjo, que flutuava sobre a cidade, salpicando de estrelas os telhados de todas as casas. De repente, era como se pesasse uma tonelada, começando a cair vertiginosamente. Acordava assustada, correndo para o quarto da mãe, onde poderia sonhar protegida, sem medo de cair do céu.

Enfim, chegara o grande dia. Aquela sexta-feira santa parecia diferente de todas as outras. Isolda sentia isso. Volta e meia, entrava no quarto e ficava olhando, embevecida, para aquelas asas tão branquinhas, ali, esperando por ela. Ao entardecer, já estava a postos para o banho, olhinhos brilhando de felicidade. Nem mesmo reclamou quando a mãe começou a desembaraçar-lhe os longos cabelos negros. Tudo o que mais queria era ser um anjo. Anjo moreno, é verdade, mas Deus nem notaria esse detalhe, pensou, fazendo um muxoxo de autoconsolo.

Quando Isolda entrou na sacristia, segurando bem firme na mão de sua mãe, parecia mesmo um anjo. Padre Mariano, surpreendido pela entrada súbita da menina, até deixou cair no chão a indumentária eclesiástica que estava prestes a vestir. À sua frente, estava um anjo moreno, cabelos cacheados, um quê de paz e tristeza revelando-se no rosto meigo e infantil. O pároco tomou-lhe a mão, levou-a para perto do altar e deu-lhe uma vela branca envolta em papel crepom. Já enfileirados, os outros anjos, meninos de um lado, meninas de outro, esperavam irrequietos. Alguns deles, rostinhos travessos, deixavam dúvidas sobre seus dons angelicais.

A procissão saía da igreja e descia pela rua principal. Mal tinham caminhado uns duzentos metros e os anjos já começavam a agitar-se. Sussurravam entre si, cúmplices, e o desafio estava lançado. Cada pingo de vela que caía no dedo, era como se uma obra de arte estivesse sendo esculpida. Ao final da procissão, disputavam a escolha do dedo de vela mais perfeito, sem rachaduras, nem saliências. Sequer sentiam a quentura dos pingos de cera na pele, tal a emoção da brincadeira. Muitos dos meninos passavam para a fila das meninas para assustá-las, respingando-as com vela quente, arrancando-lhes gritinhos abafados. As beatas lançavam-lhes olhares reprovadores. Padre Mariano fazia-lhes sinal para que se aquietassem, esboçando um meio-sorriso condescendente. A procissão seguia.

Isolda estava distante, pensativa. Sentia-se diferente naquele ano. Talvez fosse a roupa de anjo com a qual ela tanto sonhara, conjeturou. Não sabia dizer. Apenas sentia-se estranha. Absorta, ia deixando a vela pingar devagarinho, cada pingo como se fossem lágrimas quentes, caídas do céu. Olhava para as outras crianças, que pareciam alegres, como sempre, com seus dedos de vela quase prontos, exibindo-os como troféus. Olhava tudo meio alheia, como se não fizesse mais parte daquelas reinações.

Terminada a procissão, os fiéis entraram na igreja. O dedo de Isolda estava coberto por uma camada leve de parafina, quase transparente, como se fosse partir-se em pedaços ao primeiro toque. Um choro copioso, inexplicável, dominou-a durante toda a cerimônia.

Sem se dar conta, Isolda chorava por si mesma, pela infância que se fora, aprisionada em um dedo de vela.

(3º lugar do Concurso de Contos "Ação Comunitária do Brasil" - São Paulo, 1992)

  • 2748 visitas desde 8/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br