A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Olhos da serpente

(Dudu Oliveira)

"São os olhos da serpente
que atraem a presa"
Ditado hindu.

Era uma daquelas noites de verão, ambiente abafado e atmosfera sufocante. Lençóis, travesseiros tudo somava em desconforto. Apesar da fadiga do dia estava difícil conciliar o sono. Um velho ventilador espalhava o ar quente no quarto e o calor se acumulava no colchão, só um retrato de Flavinha aos cinco anos não acusavam os efeitos da estação.

Procurei o relógio no criado-mudo, distração de insone para enganar a ansiedade. A linha sinuosa de um corpo de mulher, amistoso e profundamente sonado me bloqueava a visão.

Percebi um certo estranhamento entre a relação cotidiana e a fantasia do desejo. "Sei lá, transa com hora marcada, cumplicidade diluída na formalidade, responsabilidade versus encantamento ... Ih, deixa isso pra lá..."

Constrangido e revelado levantei e segui direção à cozinha, disposto a tomar um copo d'água para não pensar mais no assunto.

Cautelosamente saí do meu quarto. Já no corredor percebi o ambiente mais arejado, mais fresco. A porta entreaberta do quarto de Flávinha denunciou a origem do providencial alívio.

Um misto de curiosidade e zelo me empurraram para dentro do quarto e a moldura quadrada de luz revelou a origem do vento. Entrei e fechei a janela, então vi Flávia, numa camisola curta e transparente que revelava em curvas e pele que a menininha era de fato uma mulher.

Num breve instante a atmosfera e mesmo o tempo se congelaram. Os volumes redondos, a cintura, a respiração entredentes, os cabelos em desalinho. Tudo preciso e intensamente registrado neste torvelinho emocional e cruel.

Sobrancelhas, lábios caprichosamente riscados e esculpidos, um pé delicado e pequeno, as mãos livres de tensões, uma pele dourada, brilhante e recoberta por finíssimos pelos, que se agrupavam no centro do abdome, seguindo em direção a uma diminuta calcinha branca. Um estonteante perfume, inicialmente pouco perceptível, predominava como um halo, envolvendo esta visão, sagrada e perturbadora.

Repentinamente, o tempo despertou na minha desconcertada surpresa. Tenso e silencioso abandonei o quarto.

Uma fera urrava no meu peito e seu barulho era capaz de acordar a cidade inteira. Em busca de refúgio, voltei para minha cama. Já não sabia onde andava o sono; minha agitação, minha inquietude, tudo me denunciava ...

Despertei num susto com os ruídos da casa, e tudo o que era familiar me ameaçava. Mecanicamente me lavei e me vesti. O barulho e o cheiro do café me convidavam à cozinha, mas os poucos passos que nos separavam demoraram uma eternidade.

Confesso e condenado me rendi e entrei na cozinha.

Flávinha estava de camisola, no contra luz da geladeira, falou sem se virar.

- Bom dia, pai , mamãe já foi...

- Bom dia, filha. Olha, ontem você dormiu com a janela aberta. Uma hora destas chove, entra um bicho ou sei lá o que ?

- Se entrar eu grito, que é pra você me socorrer. Olha a hora dorminhoco, você está atrasado.

Ela se curvou às minhas costas me abraçou, me beijou estalado e sorridente; seu seio roçou no meu ombro e ela se perdeu no corredor.

  • 2404 visitas desde 19/06/2007
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br