A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A Quimera do Torto

(Eduardo Guilhon)

Chamavam-na Madame Sofie. Francesa de Lion, tinha 45 anos quando chegou ao Brasil. Alta, loira, mantinha o esplendor da juventude. Vestia-se sempre impecavelmente e tinha os modos refinados. Sua maior dificuldade era acostumar-se ao clima quente e seco de Brasília.

Havia sido chamada ao Brasil por indicação de uma antiga conhecida. Sofie fora cuidadora de filhos de nobiliárquicos europeus, especialmente na Alemanha, Luxemburgo e Mônaco. Diziam que havia até mesmo ajudado a educar um certo príncipe Carlos, do Reino Unido, mas em vista da antiga rixa entre os países vizinhos, era uma história mantida sem segredo. Tinha vasta experiência em educar pequenos nobres nos mais rígidos padrões, transformado-os em adultos fidalgos.

Sua missão nas terras da Pindorama era auxiliar uma jovem, cujo marido acabara de eleger-se vice-presidente da República. Ela tinha dezessete anos, e a família preocupava-se com as novas atribuições em tão alto posto.

Apesar de gaúcha, Maria havia vivido alguns anos com uma tia no Rio de Janeiro, onde conheceu o futuro marido em um baile de debutantes. Tinha apreço pela vida no Rio, mas o casamento e a eleição do marido a obrigou a mudar-se para Brasília. Sentia-se sozinha na capital federal, e a companhia de Sofie também poderia lhe ajudar neste aspecto.

O início porém foi duro para ambas. Maria incomodava-se com aquela francesa tentando ensinar-lhe modos diários. "Segure o talher assim", "Fale sempre baixo, como é o dever de uma dama", "Postura, postura, postura!". Seu limite estourou quando a francesa resolveu intrometer-se na vida do casal, o que Maria de pronto repeliu. Ali definiram a fronteira do trabalho.

Pouco a pouco no entanto, elas foram construindo uma amizade sólida. Maria demonstrava nas recepções e contato com outras expoentes da República uma educação superior, bem diferente da menina que havia chegado à capital. A diferença fazia-se nítida a cada encontro. As aulas de etiqueta ao menos estavam servindo para algo.

Maria sabia reconhecer que devia isto à Madame Sofie, o que fez crescer entre elas - vagarosamente, friso - uma amizade cada vez mais sólida. Para onde Maria ia, fazia questão de levar a amiga, mesmo em viagens oficiais. Quando tiveram a chance de ir à França, foi a glória, Sofie levou Maria às melhores lojas de Paris, frequentaram os maiores costureiros europeus, bons restaurantes e tomaram dos melhores vinhos.

Depois de quase quatro anos de convivência, Maria já estava pronta para um desafio ainda maior. Depois da renúncia do presidente, seu marido tornou-se o novo presidente da república. Ela seria a primeira-dama do país, recebendo atenção ainda maior de todos. Seria a mais jovem primeira-dama do país, com apenas 21 anos quando seu marido assumiu o governo. Não só a mais jovem, como a mais bela também.

Em tese poderia dispensar os préstimos de Madame Sofie, mas tinha-se apegado tanto à francesa, construíram uma relação tão forte que fez questão que ela ficasse. A própria francesa não queria voltar. Além de já ter-se acostumado ao Brasil - e a Brasília - a distinta francesa - tão nobre, tão educada - curava suas horas de solidão com um negro de 40 anos, alto e forte, motorista do presidente. Encontravam-se quase que diariamente por volta das onze da noite, quando o casal presidencial já tinha jantado e recolhia-se para seus aposentos. Madame Sofie só não corria para os aposentos de Carlos quando este voltava para casa, onde era casado e tinha dois filhos.

Tendo optado Maria pela Granja do Torto em vez do tradicional Palácio da Alvorada, as duas passeavam diariamente a cavalo pela granja, onde Madame mostrava toda sua classe construída em pistas de hipismo europeias.

Quando haveria uma viagem para o Rio de Janeiro, no final de março de 1964, Madame sentiu uma indisposição, comunicando à Maria que ficaria no Torto. Estava com mau presságio, pois no curral havia nascido uma quimera, sinal de mau agouro na terra dos seus pais. Quimera é o nascimento de dois potros em um, as vezes quatro pernas, uma cabeça, as vezes duas cabeças e duas pernas. São dois e nenhum ao mesmo tempo. Na terra de Sofie, quimeras são liquidadas imediatamente, pois trazem azar. Insistiu com o criador do Torto para que matasse o potro, mas este se recusou.

Passavam mesmo por um momento conturbado na política. O marido de Maria, presidente do Brasil, vinha sendo questionado constantemente por vários segmentos da sociedade, desde industriais insatisfeitos a militares que ameaçavam uma revolução. O presidente forçava pelas reformas de base, de cunho popular, mas encontrava grande resistências nos meios conservadores. Era época de agitação, de grandes comícios pró e contra reformas.

Madame Sofie estava em seus aposentos, tarde da noite, quando batem fortemente na porta. Ela toma um susto e logo se lembra do potro. Pergunta quem é, e reconhece a voz de Maria do outro lado. Abre a porta e a encontra chorando.

- O quê houve Maria?
- Sofie, minha querida Sofie. Temos que correr, querem depor o governo, precisamos sair rápido daqui.
- Mas como? Para onde vamos?
- Vamos voar para o Sul, já está tudo planejado. O Leonel vai nos ajudar por lá. Vamos não temos tempo a perder.

Sofie a fitou pensativa. Lembrou dos antepassados, que se recusaram a sair de Versailles durante a revolução francesa e por lá foram mortos. Mortos com altivez, não sucumbiram ao medo.

- Eu fico Maria. Vá você, não fugirei daqui.
- Mas Sofie, você tem que ir. Não sabemos o que eles podem fazer com você.
- Maria, vá, leve seus filhos, cuide deles. Cuide de sua família e não esqueça o que lhe ensinei estes anos. Fui muito feliz aqui, e aqui prefiro morrer.

Maria a olhou e nada mais disse. Abraçou a amiga fortemente e assim as duas ficaram por algum tempo. Maria partiu para o Sul e depois para um longo exílio no Uruguai.

Já Sofie não teve mais dúvidas. Correu na cozinha e pegou uma faca longa e afiada. Partiu decidida para o curral, afim de matar a maldita quimera. Chegou lá, abriu a porta e levantou a faca, mas não teve coragem de matar o animal que a olhava indefeso. Ameaçou, vacilou, ameaçou, vacilou e finalmente jogou a faca para o lado e desistiu.

Correu de volta para o quarto e lá permaneceu até o dia seguinte, quando homens de farda entraram no Torto. Sofie foi presa e interrogada por três longos dias e depois deportada. Viveria o resto dos seus dias amargando saudades do Brasil e especialmente do seu negro.

A quimera viveu vinte e um anos.

  • 2002 visitas desde 4/08/2009
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br