A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Senão, senão

(Victor Tales)

A dor. Adorno no peito, uma gravata nova, veludo, pelugem, prateada!A dor no peito! Tudo pa...ra no metro da Consolação, um menino com elefantíase, uma senhora desmerecida, um casal de velhos e uns velhos de casal. Dezenove. Horas passam. Um calo no pé, um quadro da F. Kahlo, ninguém mais percebe, que ele está friodurorto. De tão cheio o vagão -_|_-_|_-_|_-_|_-_|_-_|_ fica de pé.

Morto. Só se morre nesse mundo com atestado de óbito, antes disso é causa práxis, coisa ou cousa. - Mãe o moço está pesando em mim. - O Empurra de leve, assim ele sai. Todo morto é um estorvo. - Ele é bonito não, gostei dessa gravata prateada. - Achei cafona, parece coisa da Guaraná Brasil. O morto parecia mais velho e cansado uma menina queria ceder o lugar, uma mãe sentiu pena, um viadinho o achou um pão.

Viadinho. Toda história que se preze tem um. Nem que for de cu adjuvante. Ou daqueles do interior que acha que fica menstruado.

Menina. Sentiu a mão do morto na bunda. - Opa, ai não João, está pensando o que? Morto não se desculpa. Menina grita, - Socorro, tarado! todo mundo cai de pau no morto. Daí ele morre mesmo. Dá noticia no jornal. Dois três vêm chorar. Ganha atestado de óbito, foi de linchamento, antes era de tédio.

  • 2402 visitas desde 4/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br