A Garganta da Serpente
Cobra Cordel literatura de cordel
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Os dragões

(Alfred' Moraes)

Existem muitas estórias
Cheias de dragões alados
Voando sobre os telhados
De castelos seculares.
Nos romances de magia
Os poderes da alquimia
Recriam esses lugares.

Na guerra de Belirand
Não tinha o aeroplano
Porém, Morgoth teve um plano,
Que ninguém pensara antes,
Criou dragões que voavam
E que também vomitavam
Labaredas flamejantes.

Nos reinos da Terra Média
Essas beldades vorazes
Não precisavam de gases
Pra reporem suas cargas.
Tinham fogo nas entranhas
Suas maiores façanhas
Era o calor das descargas.

Quem sabe um pterossauros
De incrível longevidade
E uma rara habilidade
Foi mais veloz do que o som
Planou rasante e suave,
Como a mais estranha ave
Causando enorme frisson.

O bafo quente da boca
Mas parecia fumaça
E então daquela massa
Uma voz alta se ouviu:
"Esse dragão não é bobo
Se duvidar cospe fogo
Conheço gente que viu".

Esse boato alastrou-se
Nos quatros cantos da terra
Desde então a cada guerra
Um dragão é inventado.
O invento mais recente
Já destruiu tanta gente
Que o mundo ficou pasmado.

O povo sempre foi mestre
Em fantasiar um fato
Não tem quem faça um relato
Sem aumentar um pouquinho.
Eu como não fujo a regra
Aproveito essa refrega
Pra vender meu dragãozinho.

Na segunda grande guerra
Um dragão americano
Atravessou o oceano
Até chegar ao Japão.
"Duas golfadas de vômitos"
"Dois cogumelos atômicos"
Nunca visto até então,

O grande monstro expelira
De seu ventre venenoso
Rugindo, vitorioso,
Partiu de volta pra casa.
Enquanto isso milhares
Eram atirados pros ares
Feito pedaços em brasa.

Nagasaki e Hiroshima,
Numa fração de segundo,
Desaparecem do mundo
Sob abóbadas letais.
Pagou-se o preço do ódio,
Deus queira que esse episódio
Não se repita jamais.

Desse fato tenebroso
Todo mundo se envergonha.
A seara de quem sonha
Foi manchada pelo sangue.
As nações de toda a terra
Viram os horrores da guerra
No mais tolo Bang-Bang.

Vencedores e vencidos
É mero ponto de vista
A glória de uma conquista
Não se resume ao poder.
Quem mata e se vangloria
Também morrerá um dia
Mas, nem era pra nascer.

2947 visitas desde 11/06/2008
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br