A Garganta da Serpente

Alphonsus de Guimarães

Afonso Henrique da Costa Guimarães
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Ossa Mea

Mãos de finada, aquelas mãos de neve,
De tons marfíneos, de ossatura rica,
Pairando no ar, num gesto brando e leve,
Que parece ordenar, mas que suplica.

Erguem-se ao longe como se as eleve
Alguém que ante os altares sacrifica:
Mãos que consagram, mãos que partem breve,
Mas cuja sombra nos meus olhos fica...

Mãos de esperança para as almas loucas,
Brumosas mãos que vêm brancas, distantes,
Fechar ao mesmo tempo tantas bocas...

Sinto-as agora, ao luar, descendo juntas,
Grandes, magoadas, pálidas, tateantes,
Cerrando os olhos das visões defuntas...


(Alphonsus de Guimarães)


voltar última atualização: 03/04/2017
13843 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente