A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A PAULISTANA

Eis que a tênue luz ufana
Michele, a paulistana espelhou,
E numa candura diáfana
Por entre estrelas se espalhou.

No mais, beleza incontível
Mulher em diamante lapidada,
Tão perfeita que se diria impossível
(caso não existisse), de ser criada.

E fez-se luz... magnificência!!!
Dela toda a sensualidade aflora
Como uma irresistível evidência
Pela qual todo poeta implora.

Não bastasse ter a alma de artista
Traz na face a própria inspiração,
E a tal ponto se faz personalista
Que me pergunto, será a dita,

Criadora ou criação?


(D'anton Medrado)


voltar última atualização: 16/05/2017
13651 visitas desde 14/10/2006

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente