A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

NA DOR CRUEL DE UM AMOR FINDO

Estou no lado avesso do mundo
É muito fácil me encontrar
Estou inserido no pior lugar
Como indigente no submundo

E quando o mundo seus restos esgota
Eu sorvo neles meu alimento
Nunca dispenso qualquer tormento
Vivo no vômito que a tudo embota

Eu me encontro no lado avesso
Do mundo lindo que tu conheces
Na dor cruel que tu não padeces
Eu brinco como um velho travesso

Destôo de tudo o que soa lindo
Como um menino sem doce eu sou
Pênsil no gume de adaga estou
E na dor cruel de um amor findo.


(D'anton Medrado)


voltar última atualização: 16/05/2017
13647 visitas desde 14/10/2006

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente