A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

ARGUMENTANDO A DOR

Argumentando a dor
Após findar mais um dia
O por quê da galhardia
deste funesto ardor?

Queima-me sobretudo o peito
Segue-se a mágoa posta
Tento inventar uma resposta
Pra não me parecer suspeito.

Chega a noite e a solidão
Aguardo enfim o momento
Que antecede o tormento
Tudo passa, tudo é sentimento vão.

Invisto, insisto em permanecer
Mas nada me propicia ensejo
Aludo ao passado, ímprobo desejo
De ver sua imagem aos poucos esmaecer.


(D'anton Medrado)


voltar última atualização: 16/05/2017
13649 visitas desde 14/10/2006

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente