A Garganta da Serpente

Lenin Bicudo Bárbara

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Das paisagens fugidias

Vislumbro, sob o signo da manhã
Que o sol estende pela terra nua,
O fim de tudo o que se perpetua
Somente o quanto dure o seu afã.

É a própria vida que vislumbro, crua,
Que se desdobra em morte no amanhã,
É a vida alegre e ingrata, atroz e vã,
Que nos desvãos da carne se insinua,

E que também nos duros minerais
Habita, e habita até nas comunais
Explosões deste sol que nos aquece.

Amanhece. E eu, que vejo esta paisagem
Em fuga, sei que é só mais uma imagem
Que se vê todo o dia, e que se esquece...


(Lenin Bicudo Bárbara)


voltar última atualização: 21/10/2006
23079 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente