A Garganta da Serpente

Lenin Bicudo Bárbara

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Soneto de um dia de chuva

Precipita-se uma gota, outra após,
Logo outras mais, e muitas em seguida.
Desaba a chuva sobre todos nós,
Na rua da esperança adormecida...

Desaba aos cântaros, rude e veloz,
E segue do vento a aberta ferida.
Dança, mas é uma dança retorcida,
Estranha dança que se dança aos nós;

E os coitados que nela vão se achando
Repetem essa mesma estranha dança
À medida que saem para rua.

É que tudo o que têm se está encharcando -
Roupas, móveis e casas; e a esperança
Que dorme enquanto a chuva continua!


(Lenin Bicudo Bárbara)


voltar última atualização: 21/10/2006
23076 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente