A Garganta da Serpente

Lenin Bicudo Bárbara

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Algum brilho que se perde

Há nas estrelas um brilho apagado,
Alguma luz que nos foge da vista,
Brilho que escapa mal equilibrado
Rolando num cordão de equilibrista.

Esse brilho, essa luz, esse intrincado
Condão de cor estranha, amorfa, mista,
A estrela funde-o num clarão iriado,
Lança-o no espaço - e some ali, sem pista...

E sem vestígio algum que lhe revele,
O brilho oblíquo engolfa-se na pele
Elástica do espaço sideral...

Nos colossais recantos do Universo,
Desaparece a luz do céu perverso
E faz da Consciência o seu jogral!


(Lenin Bicudo Bárbara)


voltar última atualização: 21/10/2006
23072 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente