A Garganta da Serpente

Lenin Bicudo Bárbara

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Estava escrito no lençol que nos cobriu...

Ouve, meu bem, o que não fala a boca
Quando se cala noutra que a entretém:
Ela conta em silêncio o seu desejo,
Que é o desejo que toda a boca tem.

É o que os poetas pedem, a voz rouca
Laureando o amor que sentem por alguém...
Mas seus versos são menos do que um beijo,
Porque a boca é de um beijo mais refém.

Versos de amor se escrevem no lençol,
Vão, sem palavra, se esconder do Sol
Nas nuvens que há no céu de alheia boca.

E a língua que outra língua encontra lá
Bem sabe que, meu bem, por bem não há
Rima melhor pra boca do que o beijo.


(Lenin Bicudo Bárbara)


voltar última atualização: 21/10/2006
23077 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente