A Garganta da Serpente

Lenin Bicudo Bárbara

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Ela e a Noite

Estrelas caem, educadamente,
Em derredor donde quer que ela passe,
A luz, sob os seus pés, se faz fugace
E se dissipa em sombra, de repente...

Nuvens escuras, delicadamente,
Encobrem seus quadris, ombros e a face,
Como se a Noite mesma lhe emprestasse
A sua qualidade mais latente...

Ninguém percebe mais sua presença...
Ninguém escuta mais quando ela grita...
Somente os astros sabem o que pensa...

E a lua, em sua ambígua educação,
Pra diverti-la é por ali que orbita,
A lua nova do seu coração...


(Lenin Bicudo Bárbara)


voltar última atualização: 21/10/2006
23276 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente