A Garganta da Serpente

Lenin Bicudo Bárbara

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Dela sob a garoa dos versos

Ela, estirada no solo marrom,
Sob a fina garoa da manhã,
Tamborilava os dedos, num só tom
Reverberava o choro de Tupã.

Tinha nos lábios mansos de cunhã
Vestígios embotados de batom,
E a chuva dissolvia sem afã
O seu vestido de papel crepom;

E, mergulhando devagar na lama,
Junto à chuva que do céu se derrama
Derrama-se, também, na alegoria!...

Era tão moça e bela e tão risonha,
Ela, a menina que deitada sonha
Tornar-se a flor d’alguma poesia!


(Lenin Bicudo Bárbara)


voltar última atualização: 21/10/2006
23068 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente