A Garganta da Serpente

Lenita Gonçalves

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

DESENCANTO

Manhã. Apresentam-me o si
da falange que me procura
tão distal que me aproxima
tão boa que me tortura

Eu gritei-lhe de tão intensa
mas sofri por não ser-te tua
e de não ser-te os dedos tensos
que calam ao ver-me nua

Tarde. Eu fechei-me e chorei
e não completam-me as falanges
pois o que não me são minhas
são d'um homem que não surge

Eu gritei de tamanho espanto
porque se é de cio o meu pranto
dele não restará nada
nem ao menos desencanto.


(Lenita Gonçalves)


voltar última atualização: 16/03/2008
11988 visitas desde 01/07/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente