A Garganta da Serpente

Lenita Gonçalves

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

PROMÍSCUA

Sinto o teu cheiro
entre as dobras do meu corpo
prega à prega, me destampo

Se me deito
há um peso sobre mim
o sinto rijo no meu flanco

Abro as pernas, vejo o mundo
lábio à lábio
entre pentelhos que arranco

Algo me come - eu como
duro, firme e grosso
me abre todas as partes

Se eu lhe grito
invade parte a parte
o esmegma me enoja

E eu grito, a-largada
no meu canto
seca e enjoada, 'inda manco!


(Lenita Gonçalves)


voltar última atualização: 16/03/2008
11991 visitas desde 01/07/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente