A Garganta da Serpente

Lenita Gonçalves

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Luna

Luna, minha cria
filhote extraído do meu ventre
razão das minhas noites tardias

Quando durmo, logo acordo
lá está minha pequena Lua
chorando, sem dentes, no berço

A boquinha de criança ansiosa
procura os bicos dos meus seios
como uma gatinha gulosa

Ela mama, engasga e baba
cochilo com a carícia gostosa
que é sentir o céu da boca macia

Satisfeita, ela arrota e me vê
dá uma gargalhada deliciosa
e eu fico a olhá-la dormir.


(Lenita Gonçalves)


voltar última atualização: 16/03/2008
11989 visitas desde 01/07/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente