A Garganta da Serpente

Leonardo Minduri

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A soberba necrópole

A soberba necrópole
Desfila seus entediantes cadáveres
Maquiados pela ilusão
A necrofilia desvairada perdura
No ludibriante tempo
Pobres neófitos
Carcomidos pelo desejo
O Deus tanatólogo
Sedento pelo espetáculo
Providencia-lhes a encenação
Seu deleite será eterno?
Ele decompõe os renegados
Censura e condena ao exílio
Sou o espectador de mim mesmo
Negando a luz do tempo.

(Leonardo Minduri)


voltar última atualização: 09/10/2008
3784 visitas desde 09/10/2008

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente