A Garganta da Serpente

Marcelo Pierotti

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Demiourgos

São todas tuas,
tantas quanto as que vagam pelas ruas.
São todas bocas
e todas vulvas,
são todas feias e santas,
todas aladas e nuas.
São todas corpos e sonhos,
dormentes em tua mão,
todas vivas e tuas,
todas carne, vento e alma
no tremor de tua mão.


(Marcelo Pierotti)


voltar última atualização: 05/11/2004
5899 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente