A Garganta da Serpente

Martha Galrão

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

queria ser só
o que de vento se veste:
poeira, grão, semente, algodão.

queria ser só
o que flutua:
pena, flauta, balão.

no dia ser borboleta,
na noite ser mariposa,
só delicadeza eu seria:
vaga-lume, orvalho, seixo, lágrima, canção.

mas também sou tudo
que padece:
pedra, amargura, solidão.

mas também sou tudo
que afunda:
pedra, cadáver, escuridão.


(Martha Galrão)


voltar última atualização: 14/11/2008
7785 visitas desde 27/11/2006

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente