A Garganta da Serpente

Tereza Claudino

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

LER ENFIM

COMO PODE SAUDADE SENTIR DE DIAS...
REMOTOS QUE NÃO VIVEU?

HORA TODO POETA É INSANO!
E INSANO TAMBÉM EU, O SOU.

ENTÃO NAS ASAS DESTA INSANIDADE
PERMITO-ME VOAR,
NA MAGIA FLUTUAR,
NOS SONHOS POUSAR;

DEIXAR O TEMPO PASSAR...
NOS LAGOS, MERGULHAR,
EMPRESTAR DA FLOR O ODOR E A COR.

SONHOS MÁGICOS!
CONTOS DE MAGOS
SER CRIANÇA CIRANDAR, SORRIR, SENTIR
LER ENFIM!
LER A FIM

A FIM DE TODO SONHO TER
E DE A TODO SONHO PERTENCER

(Tereza Claudino)


voltar última atualização: 24/08/2010
12148 visitas desde 09/10/2008

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente