A Garganta da Serpente

Tereza Claudino

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

ECOS

Faz frio e a noite é longa...
Enfim, as folhas caem deixando rastros como saudade
E o vento soprando apaga marcas de meus caminhos
Mas o som dos ventos entoa a canção que persigo.
Ouço os ecos do amor que em mim ficou
Assim recomponho a canção de meus sonhos
Que brotam como águas serenas
percorrem leitos de pedras e vales,
procurando o mar de meu sempre amar

(Tereza Claudino)


voltar última atualização: 24/08/2010
12149 visitas desde 09/10/2008

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente