A Garganta da Serpente

Tereza Claudino

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

FEBRE INSANA

NÃO DESEJAIS TU, POETA O SER
POIS AS DORES DESCRITAS,ESCRITAS,
AGORA SABEIS;

- SÃO DORES SENTIDAS, SOFRIDAS,VIVIDAS
A CADA LETRA, UM LAMENTO

ALENTO ATENTO AO SOFRER.

EM CADA FRASE UM QUASE
VENCER OU FALECER

PARA CADA CONTO,
UM PONTO NA FEBRE INSANA,
ENTRE O SOFRER, SONHAR E O CANTAR

TUDO PARA TÃO SOMENTE,
A PAZ ENCONTRAR!

(Tereza Claudino)


voltar última atualização: 24/08/2010
12151 visitas desde 09/10/2008

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente