A Garganta da Serpente

Thiago Amorim

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Cantilena

Quando a tarde morre no velho Bixiga
não sei, cara amiga, que coisa me dá,
apenas que levam-me os pés traiçoeiros
com passos ligeiros à Casa de Yayá...

meu peito cordato também não espera
que siga-lhe a fera, temida vergonha...
aos olhos me oculta das ruas o brilho,
qualquer empecilho que se lhe interponha;

de um longo caminho, cansado, enfim chego
e o meu vão sossego se esvai num minuto:
as mãos já me suam, minha voz se cala...
mal adentro à sala, Carina, te escuto!

Junto à porta, ao lado de jovens donzelas,
entre outras singelas sopranos, te avisto
e eis que vejo a causa do meu grão tormento,
o são fundamento pelo qual existo!

Ai, lança à minha alma qualquer cantilena
que o teu canto ordena que a mágoa se afaste!
O canto que entoas mil encantos obra
e em dobro recobra-me a paz que roubaste;

mas, se alguém no Coro rebaixa o teu canto
a voz já levanto num tom furioso,
a sua insolência logo eu repreendo,
com gosto defendo teu dom valoroso...

é que na alma acende-se em tua presença
uma flama intensa que eu nunca senti...
Ah, bela Carina, perdoa o teu vate:
meu peito arde e bate de amores por ti!


(Thiago Amorim)


voltar última atualização: 06/01/2009
11016 visitas desde 23/10/2008

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente