A Garganta da Serpente

La Fontaine

Jean de La Fontaine
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O lobo e a cegonha

(La Fontaine)

Vorazes comem lobos;
Nada lhes vence a gana;
Eis o que fez um deles
Em farta comezaina

Tão sôfrego engolira,
Sua avidez foi tanta,
Que de través lhe fica
Um osso na garganta.

Sentindo-se engasgado
E sem poder gritar.
Julgou-se na agonia
E prestes a espirar.

Uma cegonha (ó dita!)
Passa dali vizinha;
Chamada por acenos,
Vem acudi-lo asinha.

Com grande habilidade
Procede à operação;
Retira o osso - e a paga
Requer do comilão.

"A paga! (exclama o lobo)
Comadre! Estás brincando!
Pois não te deixo livre,
A vida desfrutando?

Não me saiu dos dentes
Tua cabeça intacta?
Vai-te e das minhas garras
Cuida em fugir, ingrata!"

(fonte: "Fábulas de La Fontaine". Tradução: Barão de Paranapiacaba
Rio de Janeiro: Editora Brasil-América - EBAL - SA, 1985)

6519 visitas desde 15/02/2007
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente