A Garganta da Serpente

La Fontaine

Jean de La Fontaine
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O lobo e o cordeiro

(La Fontaine)

De ardente sede obrigados,
Foram ao mesmo ribeiro,
A beber das frescas águas,
Um lobo e mais um cordeiro.

O lobo pôs-se da parte
Donde o regato nascia;
O cordeiro, mais abaixo,
Na veia d'água bebia.

A fera, que desavir-se
Com a mansa rês desejava,
Num tom severo e medonho,
Desta sorte lhe falava:

- Por que motivo me turvas
A água que estou bebendo?

E o cordeirinho inocente
Assim respondeu, tremendo:

- Qual seja a razão que tenhas
De enfadar-te, não percebo!
Tu não vês que de ti corre
A mim esta água que bebo?

Rebatida da verdade,
Tornou-lhe a fera cerval:
- Aqui, haverá seis meses,
Sei de mim disseste mal.

Respondeu-lhe o cordeirinho,
De frio medo oprimido:
- Nesse tempo, certamente,
Inda eu não era nascido!

- Que importa? Se tu não foste,
Disse o lobo carniceiro
Foi teu pai. E, por aleives,
Lacera o pobre cordeiro!

Uma fábula dá brados
Contra aqueles insolentes
Que, por delitos fingidos,
Oprimem os inocentes.

(fonte: "Fábulas de La Fontaine". Tradução: Malhão
Rio de Janeiro: Editora Brasil-América - EBAL - SA, 1985)

13956 visitas desde 5/10/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente